POLÍCIA CIVÍL DO DISTRITO FEDERAL RESGATA JOVEM MANTIDA EM CÁRCERE PRIVADO POR LÍDER RELIGIOSA

08/01/2019

Por Marcelo Neves

Distrito Federal - Polícia

O resgate foi no dia 28 de dezembro, a garota já estava em cárcere privado há mais de 4 meses na casa da religiosa na cidade de Nova Gama, a 40km de Brasília

A garota de 18 anos fazia trabalhos domésticos na casa e na igreja, era obrigada a estudar a Bíblia e não tinha permissão para sair, fazer telefonemas ou qualquer outra atividade. Tudo com a justificativa de que ela estava possuída por espíritos malignos e precisava se tratar. O delegado Vander Braga afirmou que a mãe sabia que a filha era mantida naquelas condições.

A igreja Adventista Remanescente, de Laudicéia, já vinha sendo investigada há meses por denúncias de trabalho escravo, a polícia civil só conseguiu chegar até a garota por um amigo, ele recebeu uma ligação da garota que conseguiu pegar o telefone de uma irmã da igreja para ligar para ele.

"Eles tentaram dissimular que esta menina existia lá, até por que a comunidade tem o hábito de todas as pessoas que entram lá trocarem o nome delas, então sabendo disso, nós em diligência já sabíamos o nome que ostentava esta vítima, que seria outro, então, depois de advertir bastante a religiosa sobre a gravidade do fato, ela entregou o local onde a jovem estava, as portas estavam todas fechadas, as janelas eram todas gradeadas, e ali conversando com a vítima acabou se confirmando." Disse o delegado.

O delegado informou ainda que existe mais de 400 fiéis vivendo na comunidade, eles são orientados a se desprenderem de todos os bens materiais para alcançarem o Reino dos Céus, por isso acabam doando tudo, vivendo ali por perto e se dedicando a religião.

A vítima se mudou com a mãe quando ainda tinha 12 anos e segundo o delegado, a mãe sabia que a filha estava naquelas condições, além da garota, outras três também estavam nas mesmas condições e foram resgatadas dias antes desta operação da polícia civil. A polícia disse que também recebeu denúncias de abuso sexual, a vítima resgatada disse que não foi abusada. A polícia continua com as investigações