Filha e sua namorada são presas após corpos da família serem localizados carbonizados, no ABC

30/01/2020

Por Marcelo Neves

Quinta-feira, 30 de janeiro de 2020 (16h30)

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia Especializada de Investigações Criminais e do Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa de São Bernardo do Campo (Demacro), prendeu a filha e sua namorada pelo homicídio dos pais, bem como do irmão.

O crime ocorreu na madrugada desta terça-feira (28), e os corpos das vítimas foram encontrados no veículo da família, carbonizados, no limite das cidades de São Paulo e Santo André.

Na residência da família, os objetos estavam todos revirados. Foram encontradas marcas de sangue no quarto do casal, no quarto do filho e nas escadas. A arma registrada de propriedade do pai não foi localizada.

A filha do casal e sua namorada, que apresentavam vários hematomas pelo corpo, caíram em contradição durante os depoimentos.

As imagens da portaria do condomínio de casas onde a família morava, em Santo André, registrou a saída do veículo da filha, seguido pelo Jeep, que depois foi encontrado em chamas.

A Polícia Civil acredita que o casal simulou um roubo e contratou outros criminosos para executarem a família e agora trabalha para identificar e prender os possíveis envolvidos.

Um laudo preliminar da polícia aponta que a família encontrada carbonizada dentro de um carro em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foi morta a golpes de pauladas. Uma testemunha que está sendo preservada contou aos policiais que ouviu barulhos estranhos vindos da casa onde as vítimas moravam, em Santo André. As informações são da Record TV.

Os corpos de Flaviana Gonçalves, do marido Romuyuki e do filho de 15 anos foram encontrados carbonizados no porta-malas do carro da família, um Jeep Compass, na Estrada do Montanhão, numa área de mata no dia 28.

A filha mais velha do casal, de 24 anos, está presa temporariamente por 30 dias assim como a namorada dela, de 31 anos, suspeitas de envolvimento no crime. A polícia investiga se a motivação do crime foi a herança da família. A polícia vai pedir também a quebra do sigilo telefônico das duas mulheres para analisar a troca de mensagens.

As duas suspeitas passaram a noite prestando depoimento e, nesta quarta-feira (29), foram conduzidas ao 7º DP (Lapa). Lucas Domingos, advogado da dupla, afirma que as suspeitas negam qualquer tipo de participação no crime.

Fonte/foto: Demacro

Publicidade.