DOLEIRO BRUNO FARINA CHEGA AO RIO DE JANEIRO APÓS EXTRADIÇÃO DO PARAGUAI

30/12/2018

Por Marcelo Neves

Ele desembarcou no aeroporto Santos Dumont, passou por exames de corpo de delito e foi levado para o presídio em Benfica, na Zona Norte da Capital. O doleiro foi preso pela Interpol no Paraguai e chegou ao Brasil na manhã deste sábado.

Após ser preso no Paraguai, o doleiro pernambucano Bruno Farina, de 59 anos, foi extraditado para o Brasil e transferido para o sistema penitenciário do Rio de Janeiro, ao qual chegou por volta das 19h deste sábado (29/12).

Ele estava no Paraguai e foi entregue às autoridades brasileiras na manhã de sábado (29).

O Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, do Ministério da Justiça do Brasil, foi informado pelo Judiciário do país vizinho que Farina tinha aceitado se submeter à Justiça brasileira, renunciando a qualquer tipo de recurso.

Sua extradição foi conduzida pela PF (Polícia Federal), após autorização da Corte Suprema de Justiça paraguaia. Ele chegou a Foz do Iguaçu (PR) por volta de 6h45. Depois, foi transferido para o Rio.

A Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária) informou que ele ingressou no sistema penitenciário às 19h20 e precisou passar por 1 exame de corpo de delito para dar entrada. Detalhes não foram divulgados "por questões de segurança".

Bruno Farina era alvo de uma ordem internacional de captura a partir de investigações da operação Câmbio Desligo, que desbaratou uma rede de corrupção envolvendo doleiros em vários Estados brasileiros.

Farina é acusado no Brasil de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, organização criminosa e evasão.

O Ministério do Interior do Paraguai, aponta Farina como sócio de Dario Messer, que é chamado pelo MPF (Ministério Público Federal) brasileiro de "doleiro dos doleiros". A condenação pode chegar a 30 anos de prisão.

OPERAÇÃO CÂMBIO DESLIGO

A operação Câmbio Desligo é 1 desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro. Segundo as investigações brasileiras, as transações controladas pelos cerca de 50 integrantes da rede movimentaram cerca de US$ 1,6 bilhões. Para isso, usaram 2 sistemas informatizados que ajudaram a controlar mais de 3.000 offshores espalhadas por pelo menos 52 paraísos fiscais.

QUEM É DARIO MESSER

Dario Messer, apontado pela PF como o maior doleiro do Brasil, é ligado a diversos escândalos nacionais. Segundo a PF e o MPF, entre 1998 e 2003, ele teria enviado irregularmente ao exterior pelo menos US$ 1 bilhão.

No episódio do mensalão, em 2005, o doleiro Antonio Oliveira Claramunt, mais conhecido como Toninho da Barcelona, disse que Messer recebia dólares do PT em uma offshore no Panamá e entregava ao partido o valor correspondente em reais no Banco Rural.

No caso SwissLeaks, acervo de dados do HSBC suíço, vazado em 2008 por 1 ex-funcionário do banco, seu nome também é citado. Ele também é próximo do presidente do Paraguai, Horacio Cartes. Quando teve a prisão decretada no Brasil, ele fugiu para o Paraguai e teria tido apoio de pessoas ligadas ao presidente paraguaio.

(com informações da Agência Brasil)